Connect with us

Oi, o que você está procurando?

Economia

Preço do gás de cozinha é o maior do século e compromete 9,4% do salário mínimo

Alta do preço do gás faz famílias brasileiras voltarem a utilizar a lenha - Foto: Reprodução

O botijão de 13 quilos é vendido no Brasil a um valor médio de R$ 113,48, segundo a ANP, e representa 9,4% do salário mínimo, o patamar mais elevado desde março de 2007 — quando o botijão custava R$ 33,06 e o salário mínimo era de R$ 350

Quando o botijão custava R$ 33,06 e o salário mínimo era de R$ 350.

Quando o botijão custava R$ 33,06 e o salário mínimo era de R$ 350. – Foto: Barbara Moira

O preço do GLP (gás liquefeito de petróleo) de 13 quilos, ou gás de cozinha, bateu recorde histórico neste mês de abril, atingindo a maior média mensal real, descontada a inflação, desde o início da série histórica do levantamento de preços da  ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), iniciada em 2001.

O botijão de 13 quilos é vendido no Brasil a um valor médio de R$ 113,48, segundo a ANP, e representa 9,4% do salário mínimo, o patamar mais elevado desde março de 2007 — quando o botijão custava R$ 33,06 e o salário mínimo era de R$ 350.

O levantamento é do OSP (Observatório Social da Petrobras), organização ligada à FNP  (Federação Nacional dos Petroleiros), com base no preço médio mensal do GLP e na média de valores semanais de revenda em abril, divulgados pela ANP.

Os dados mostram que, em março passado, o gás de cozinha já tinha alcançado o maior preço médio real da série histórica, sendo vendido a R$ 109,31. Antes disso, o recorde tinha sido registrado em novembro de 2021, com o preço médio de R$ 106,50.

Segundo o economista Eric Gil Dantas, do OSP e do Instituto Brasileiro de Estudos Políticos e Sociais (Ibeps), o gás de cozinha voltou a comprometer o salário mínimo na mesma proporção de 2007. “Nesses 15 anos, com a manutenção do preço do gás de cozinha e a valorização do salário mínimo, essa proporção foi caindo, mas houve uma inversão em 2017, com a alta dos valores do GLP e o aumento real do salário mínimo”, ressalta.

Famílias passaram a utilizar a lenha

Essa mudança de cenário, completa o economista, trouxe um primeiro efeito imediato, que foi o crescimento do uso de lenha pelas famílias brasileiras.

“Entre os anos de 2013 e 2016, de acordo com dados da EPE (Empresa de Pesquisa Energética), a população consumia mais GLP do que lenha. Mas, a partir de 2017, a lenha voltou a ser mais utilizada do que o gás de cozinha nas residências do país. E, em 2020, esse consumo já era 7% maior do que o de GLP”, afirmou Dantas.

 

Publicidade. Continue lendo sua matéria ao descer mais a página

Fonte: R7

Faça um comentário

Notícias relacionadas

Destaques

O Brasil bateu mais uma triste marca na pandemia nesta terça-feira (23), registrando mais de 3 mil mortes por Covid em um dia pela primeira...

Rondônia

Um vídeo que mostra os últimos minutos de vida de uma mulher que foi morta pelo tribunal do crime. A jovem identificada como Adriana...

Capital

A Caixa Econômica Federal depositará o dinheiro na conta corrente informada pelo trabalhador ou na conta poupança digital, usada para pagar o auxílio emergencial,...

Destaques

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) em Rondônia informa os horários de restrição de circulação de veículos em razão dos feriados de Natal e de...

Publicidade
× Quero anunciar!