Connect with us

Oi, o que você está procurando?

Economia

Frutas, legumes e verduras assumem posto de vilões da inflação no início de 2022

Ida à feira ficou mais difícil para os brasileiros nos primeiros meses de 2022 - Foto: EDU GARCIA/R7

Entre os itens, o preço da cenoura quase dobrou (+98,4%) e corresponde ao maior salto registrado pelo índice oficial de preços no acumulado do primeiro bimestre

Cenoura quase dobrou de preço desde dezembro – Foto: ADRIANO ISHIBASHI/FRAMEPHOTO/ESTADÃO CONTEÚDO

Depois de a ida ao posto de gasolina traumatizar os brasileiros no ano passado, o início de 2022 é marcado por pesadelos ao frequentar os corredores das feiras livres e dos hortifrútis.

Nos dois primeiros meses do ano, itens dos subgrupos de tubérculos, raízes e legumes (+20,9%), hortaliças e verduras (+24,8%) e frutas (+7,1%) figuram como os principais vilões das famílias, de acordo com o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo).

Entre os itens, o preço da cenoura quase dobrou (+98,4%) e corresponde ao maior salto registrado pelo índice oficial de preços no acumulado do primeiro bimestre.

A abobrinha (+64,7%), o repolho (+35,9%), a batata-inglesa (+35,4%), o pepino (+31,4%) e o alface (+30,5%) também apresentaram variações significativas no período.

Entre as frutas, os principais destaques negativos partiram do morango (+26%), da laranja-baia (+25,7%), da melancia (+24,7%), da banana-prata (+14,7%) e do melão (+14,4%).

Somadas, as altas contribuíram para o avanço de 2,4% do grupo de alimentação e bebidas no acumulado dos primeiros meses de 2020, com disparadas acima de 1% em ambos os meses e maior impacto final às famílias nos dois períodos.

Ao analisar o índice de fevereiro, o gerente do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) responsável pela pesquisa, Pedro Kislanov, ressalta que o clima foi a principal razão para as variações significativas.

“Em fevereiro, o grupo de Alimentação sofreu impactos dos excessos de chuvas e também de estiagens que prejudicaram a produção em diversas regiões de cultivo no Brasil”, avalia Kislanov.

O chefe da seção de economia da Ceagesp (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo), Thiago de Oliveira, também atribui a variação significativa nos preços das hortaliças aos efeitos climáticos. “O setor sofreu com duas geadas e na sequência uma estiagem prolongada”, recorda.

Publicidade. Continue lendo sua matéria ao descer mais a página

Diante da situação, Oliveira destaca que a reposição das perdas foi afetada pela valorização de fertilizantes e defensivos, que são negociados em dólar, e ocasionaram na redução das áreas de cultivo.

“Quando os produtores estavam para colher novamente, estes produtos sofreram com as chuvas de 2022 que assolaram, principalmente, a região Sudeste e o Sul da Bahia”, completa Oliveira ao analisar a situação do segmento.

 

Fonte: R 7

Faça um comentário

Notícias relacionadas

Destaques

O Brasil bateu mais uma triste marca na pandemia nesta terça-feira (23), registrando mais de 3 mil mortes por Covid em um dia pela primeira...

Rondônia

Um vídeo que mostra os últimos minutos de vida de uma mulher que foi morta pelo tribunal do crime. A jovem identificada como Adriana...

Capital

A Caixa Econômica Federal depositará o dinheiro na conta corrente informada pelo trabalhador ou na conta poupança digital, usada para pagar o auxílio emergencial,...

Destaques

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) em Rondônia informa os horários de restrição de circulação de veículos em razão dos feriados de Natal e de...

Publicidade
× Quero anunciar!