Connect with us

Oi, o que você está procurando?

Rádio Rondônia

Com cortes na educação, Unir aponta preocupação para pagar bolsas e auxílios

Este ano a Universidade Federal de Rondônia (Unir) foi afetada com uma redução de 18,35% no orçamento em relação a 2020. Esse não é o primeiro desfalque na verba da universidade. Desde 2014 o valor vem diminuindo e já somam mais de 40% a menos nas verbas discricionárias.

As despesas discricionárias nas universidades envolvem, por exemplo, gastos com luz, limpeza, manutenção, segurança e auxílios aos estudantes.

Do valor total enviado a Rondônia apenas 45% está disponível para uso imediato. Os outros 55% permanecem bloqueados até que uma nova votação seja feita no Congresso Nacional.

De acordo com a Unir, se o restante do valor não for aprovado, as atividades só poderão ser mantidas até o mês de junho, mesmo durante o ensino remoto. Apesar das despesas como energia e água terem diminuído durante a pandemia, desde o ano passado a universidade diz que ampliou os auxílios para os estudantes acompanharem as aulas remotas.

“Uma das questões que mais nos preocupa é o impacto na questão estudantil, nas bolsas e auxílios oferecidos aos alunos em situação de vulnerabilidade econômica”, aponta a reitora da Unir, Marcele Pereira.

 

O orçamento do Ministério da Educação (MEC) destinado às universidades federais em 2021 teve redução de 37% nas despesas discricionárias, se comparadas às de 2010 corrigidas pela inflação (veja gráfico abaixo).

Em valores atualizados, o orçamento do MEC para o ensino superior em 2010 seria hoje o equivalente a R$ 7,1 bilhões. Em 2021, é de R$ 4,5 bilhões. Houve queda também em relação a 2020, quando foi de R$ 5,5 bilhões. Os números são da Andifes.

Cortes no Ifro

Ifro Campus Vilhena (RO) — Foto: Divulgação/Ifro

Ifro Campus Vilhena (RO) — Foto: Divulgação/Ifro

O Instituto Federal de Rondônia (Ifro) também foi afetado pelos cortes com uma diminuição de 19%, equivalente a R$ 7,5 milhões. Do valor total, mais de R$ 5 milhões ainda estão bloqueados.

O reitor do Ifro, Uberlando Tiburtino, diz que diante da situação foi necessário cortar programas desenvolvidos pelo instituto como a produção de álcool em gel que era distribuído gratuitamente para instituições públicas.

Publicidade. Continue lendo sua matéria ao descer mais a página

“Quem perde são as mais de 40 mil pessoas que matriculamos no ano passado”.

Fonte: G1RO

Faça um comentário

Notícias relacionadas

Destaques

O Brasil bateu mais uma triste marca na pandemia nesta terça-feira (23), registrando mais de 3 mil mortes por Covid em um dia pela primeira...

Capital

A Caixa Econômica Federal depositará o dinheiro na conta corrente informada pelo trabalhador ou na conta poupança digital, usada para pagar o auxílio emergencial,...

Brasil

A Associação Médica Brasileira (AMB) divulgou um boletim nesta terça-feira (23) na qual condena, entre outros pontos, o uso de remédios sem eficácia contra...

Mundo

O Canal de Suez, no Egito, é uma das principais travessias marítimas do mundo para o transporte de mercadorias e matérias-primas. Desde terça-feira, a passagem...

Publicidade
× Quero anunciar!