🎙 A rádio que todo mundo ouve!

🎼 Escute no rádio, no carro, pelo APP e pelo site!

--:--
--:--
  • cover
    Rádio Porto Velho

Menu

Justiça manda soltar Alberto Youssef pela segunda vez em um dia

Doleiro foi condenado na Operação Lava Jato a mais de 100 anos de prisão; ele firmou delação premiada com o Ministério Público

 

O doleiro Alberto Youssef teve um novo alvará de soltura concedido nesta terça-feira (21). Ele havia sido preso nesta segunda-feira (20), conseguiu uma liminar para revogação da detenção e teve outra decisão para que permanecesse preso.

Agora, o desembargador Marcelo Malucelli, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), concedeu uma segunda liminar nesta terça para que Youssef seja solto.

O doleiro havia sido preso na segunda-feira (20), por ordem do juiz Eduardo Appio, da 13ª Vara Federal de Curitiba. Na argumentação para a primeira decisão, o magistrado defendeu que ele “foi um verdadeiro arquiteto de diversas organizações criminosas ao longo dos últimos vinte anos, sendo certo que a sua multirreincidência revela sua incompatibilidade com o regime de liberdade provisória sem condições”.

Além disso, destacou que Youssef, que tem acordo de delação premiada firmado, teria mudado de endereço sem comunicar a Justiça previamente e que a atual condição de plena liberdade contribuiu para a sensação de impunidade nos seus casos.

O magistrado também destacou que a medida visava garantir a ordem, visto que ele tem elevada periculosidade social por ser reincidente em crimes de colarinho branco e lavagem de dinheiro. Assim, não falou contra a validade do acordo de delação premiada firmado, mas do “âmbito de sua abrangência”.

Então, Marcelo Malucelli concedeu uma liminar para soltura de Youssef, que logo em seguida foi revertida com uma nova decretação de prisão preventiva por Appio.

Tempo depois, ainda nesta terça-feira (21), o desembargador Malucelli deferiu uma nova decisão de soltura, entendendo que “inexiste alteração fática ou documento novo juntado que justifique a mudança de entendimento exarada em decisão que havia dado às 15h”, de acordo com o TRF-4.

“Nesse contexto, revela-se ilegal a decretação da prisão preventiva de ofício”, concluiu.

Entenda as condenações

Youssef foi condenado na Operação Lava Jato a mais de 100 anos de prisão em vários processos, considerado peça-chave na revelação do esquema de corrupção na Petrobras.

Porém, como assinou acordo de delação premiada, ficou apenas três anos preso, entre 2014 e 2017. Posteriormente, passou para prisão domiciliar, com uso de tornozeleira eletrônica.

Ele também esteve envolvido no caso Banestado, que investigou o envio ilegal de dinheiro para o exterior por meio do Banco do Estado do Paraná. Foi preso à época, assinou o primeiro acordo de colaboração da história brasileira e tinha se comprometido a não praticar novos crimes.

 

com informações da Agência Brasil, Douglas Porto, Layane Serrano e Manoela Carlucci, da CNN

× Quero anunciar!