Connect with us

Oi, o que você está procurando?

Pandemia

1 ano de pandemia: o que funcionou no combate à Covid e quais os caminhos para o Brasil?

O isolamento social, a vacinação em massa e a testagem com rastreamento são as ferramentas mais eficientes no combate ao coronavírus. Quem diz isso são os números. O G1 reuniu dados e preparou oito gráficos que apontam o efeito destas medidas sobre as curvas de casos e mortes por Covid-19 em diversos locais. E conversou com especialistas para contextualizar o impacto de cada uma e entender o porquê de o Brasil pecar na execução delas.

A pandemia completa um ano nesta quinta (11). Em março de 2020, a Organização Mundial da Saúde fez a declaração, após a doença se espalhar por todo o planeta. Um dia depois, no dia 12, o Brasil registrou a primeira morte. E após um ano, o país superou a triste marca de 2 mil mortes diárias.

Isolamento social

Epicentro da pandemia nos últimos meses, o Amazonas é um exemplo de como o isolamento social – mesmo quando não planejado – pode afetar a curva de casos e mortes.

Nota técnica elaborada por um grupo de especialistas de seis universidades brasileiras concluiu que o isolamento atingiu seu máximo nos meses de abril e maio em todos os estados, menos no Amazonas.

“Vemos muito claramente que o isolamento no estado do Amazonas começou a aumentar significativamente a partir do final de dezembro, chegando ao mesmo nível do observado no início da pandemia (abril a maio de 2020), muito certamente devido ao temor da população casado pelo aumento no número de casos”, afirmam os especialistas no documento.

“Tal aumento no isolamento demora de duas a três semanas para causar efeito, que é claramente observado na diminuição do número de casos novos nos últimos 35 dias e de mortes nos últimos 20 dias, consequência direta do maior nível de isolamento.”

Em Araraquara, no interior de São Paulo, o aumento repentino dos casos também lotou os hospitais, levando a um recorde de mortes. A prefeitura decretou confinamento total e os casos começaram a baixar cerca de duas semanas depois.

Testagem com rastreamento

Casos como o do Amazonas e de Araraquara, no entanto, são exemplos de isolamento não planejado, feitos quando as mortes já estão em níveis altos. São medidas paliativas e não preventivas, explica Lorena Barberia, professora do Departamento de Ciência Política da USP e coordenadora científica da Rede de Pesquisa Solidária em Políticas Públicas e Sociedade.

Barberia e seu grupo de pesquisadores estudam o isolamento social no Brasil durante a pandemia e a conclusão deles é que não houve “lockdown” no país em nenhum momento. Nem no período suficiente nem na forma adequada. Por isso, segundo eles, os resultados são ruins.

Publicidade. Continue lendo sua matéria ao descer mais a página

Ela explica que o “lockdown” deve ser feito em conjunto com a testagem em massa e o rastreamento de contatos.

“Vamos fechar tudo para encontrar onde estão os casos, isolar os que tiveram contato e conter o surto. Esse é o objetivo do lockdown. Isso não pode ser feito em uma ou duas semanas. Em locais em que foi bem-sucedido, como a Austrália, o lockdown durou dois meses. E sempre com testagem em massa, rastreamento de contatos e quarentena. Aqui nós vemos prefeituras decretando ‘lockdown de fim de semana’. Não faz o menor sentido. As pessoas pegam o ônibus na sexta, ficam em casa no fim de semana, e pegam o ônibus de novo na segunda-feira. Não faz sentido.”

Considerada referência em testagem e rastreamento durante a pandemia, a Coreia do Sul conseguiu manter os níveis de casos e mortes entre os mais baixos do mundo.

Quanto mais testes são realizados, mais resultados negativos são obtidos, já que muitas pessoas sem sintomas acabam sendo testadas. Os países que testam em massa, portanto, tendem a ter percentuais muito baixos de resultados positivos. Já os que testam pouco, normalmente depois do aparecimento dos sintomas ou da internação, como o Brasil, tendem a ter um alto percentual de positivos.

No início da pandemia, a Coreia chegou a ter 4,9% de resultados positivos, o nível máximo registrado naquele país. Atualmente, está em torno de 1,5%.

No Brasil, segundo o último boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, o índice de positividade dos testes era de 28%.

O estado de São Paulo, que tem população com tamanho similar à da Coreia do Sul, já registrou 55% de positividade nos testes RT-PCR em fevereiro deste ano, segundo dados disponibilizados pelo Ministério da Saúde. Atualmente, o índice está em 24%.

No Rio de Janeiro, por exemplo, a positividade nos testes já passou de 95% em abril e hoje está em torno de 60%, o que indica um dos piores volumes de testagem do mundo, segundo Tatiane Moraes, doutora em Saúde Pública e pesquisadora da Fiocruz.

“De acordo com os dados do SUS e com os dados de países disponibilizados pela Johns Hopkins University, estamos disputando o primeiro lugar. Não houve estratégia de testagem para controle da pandemia, como tem em outros países”, afirma Tatiane.

A falta de testagem impede o monitoramento de outro problema: o surgimento de variantes, como a P1, conhecida no mundo como a “variante brasileira”.

Publicidade. Continue lendo sua matéria ao descer mais a página

Segundo Ethel Maciel, professora da Universidade Federal do Espírito Santo, o Brasil se tornou terreno fértil para novas variantes do Sars-CoV-2. “Cada vez que o vírus é transmitido, a gente dá a ele a chance de fazer uma mutação”, afirma a especialista ao podcast O Assunto. “Nós não tomamos nenhuma medida, e continuamos como se nada estivesse acontecendo”.

Faça um comentário

Notícias relacionadas

Destaques

O Brasil bateu mais uma triste marca na pandemia nesta terça-feira (23), registrando mais de 3 mil mortes por Covid em um dia pela primeira...

Capital

A Caixa Econômica Federal depositará o dinheiro na conta corrente informada pelo trabalhador ou na conta poupança digital, usada para pagar o auxílio emergencial,...

Brasil

A Associação Médica Brasileira (AMB) divulgou um boletim nesta terça-feira (23) na qual condena, entre outros pontos, o uso de remédios sem eficácia contra...

Mundo

O Canal de Suez, no Egito, é uma das principais travessias marítimas do mundo para o transporte de mercadorias e matérias-primas. Desde terça-feira, a passagem...

Publicidade
× Quero anunciar!